Internet e fonte de conhecimento

Em 2008 li um artigo na revista Meio Digital sobre o escritor norte-americano Andrew Keen que prega que a chamada internet 2.0 (aquela onde o conteúdo é basicamente gerado pelos usuários), enalteceria o amadorismo e contribuiria para uma erosão da cultura e do conhecimento.

Enviei uma resposta para a enquete da revista concordando com Keen, mas salientando que a participação e interatividade alcançada com a internet 2.0 é muito importante para compartilhar conhecimento, experiências e ideias. Mas que o conhecimento acadêmico ainda deve ser o mais valorizado, pois mesmo que as mudanças hoje sejam diárias, não podemos abandonar milhares de anos de história e cultura adquiridos graças ao intelecto humano e trocá-los pelos artigos da wikipedia. Acho que a internet é mais um meio de divulgar e transmitir conhecimento, mas a produção intelectual está muito bem como está, sendo feita nas universidades, com muito dialogo e troca de experiências pessoais (no sentido mais literal da expressão ‘pessoal’, ou seja, face to face).

Abaixo vocês podem ler o meu comentário publicado na revista.

E vocês, o que acham dessa polêmica? A internet feita pelo usuário é fonte confiável de conhecimento, ou as fontes tradicionais (literatura, universidades, experiência pessoal e científica) ainda são mais importantes? Aguardo seus comentários.