Vergonha em Porto Alegre 2 – A enchente continua!

Pois é aconteceu de novo! Até quando será? Lembrando que além dos transtornos da enchente, faltou luz e atrasou todo o meu trabalho, fora o prejuízo para o comércio ao redor, e o transtorno para as escolas. Simplesmente lamentável.

Detalhe a parte um foi em 4 de março de 2012 e a parte 2 em 28 de fevereiro. Nessa época ano que vem nem vou ir trabalhar né…

Vergonha em Porto Alegre – DIVULGUEM

  Não há quem trabalhe ou tenha que ter passado pelo bairro Floresta emPorto Alegre que não tenha ficado muito molhado hoje (14/03/2012). Sim claro, a chuva foi a responsável, mas as pessoas se molharam mais de baixo para cima do que se podia esperar em uma chuva. Tudo alagado, inundado, uma vergonha total. Assistam o vídeo abaixo, é melhor do que eu explicar.

 Essa é uma das cidades que vai receber a Copa do Mundo né? E como vai ser? Debaixo d’água, a primeira copa submersa do mundo. E minha preocupação não é nem se os gringos terão uma impressão ruim do Brasil e de Porto Alegre, ou com a Copa, eles que se fodam. Eu quero saber sobre nós brasileiros trabalhadores, otários contribuintes, ficaremos nessas condições. É assim que devemos chegar (se conseguir chegar) ao trabalho, todos molhados. Essas ruas estão cheias de lixo, fezes e urina…é por essas águas que devemos andar.O que me preocupa é o presente e como ficaremos no futuro, onde está o investimento para solucionar estes problemas?

 Por favro galera, divulguem ao máximo esse vídeo e o post. Se você passou por algo parecido hoje, em outros locais de Porto Alegre, comente, poste um vídeo, sei lá…Vamos fazer isso chegar ao ouvidos das “autoridades responsáveis”, vamos usar nossa voz, as mídias sociais e vamos nos expressar contra esse descaso.

A maior mentira da História

Este post trata do Natal. Você pode pensar que este post está 2 dias atrasado, mas na verdade está 5 dias atrasado. Vou explicar mais adiante. Agora é fim de mais um ano. O ano 2011 da era cristã. Pois é neste ponto específico que quero chegar: era cristã. Tenho certeza que todos sabem o porque do Natal, o que ele representa e porque é comemorado no dia 25 de dezembro. Porém é à cerca do que vocês podem não saber que se trata o assunto do post. Apesar da tag “polêmica”, os fatos são bem claros e apesar de a crença e as supertições falarem forte na mente humana, a realidade deve (ou deveria) falar mais alto. Só que muitos não conhecem a realidade e isto nos faz reféns da verdade de outros, o que costuma ser mais cômodo, para quem não pretende refletir e pensar sobre os fatos da vida. Mas refletir e pensar sobre a vida e o que nos cerca é justamente o objetivo deste blog e a pretensão de quem vos escreve. Mas vamos ao cerne da questão.

Recomendo muito que vocês assistam este documentário abaixo.

É longo, mas nem um pouco massante. Resumindo o que interessa para o post, ele apresenta verdades que não são ditas nas escolas e pelos nossos pais, muito menos pela mídia ou governos. A verdade apresentada ali, não auxilia as religiões (e seu controle político) e nem os meios de comunicação de massa (que tem interesses econômicos, devido ao seu “rabo preso” com os patrocinadores). O documentário traz mais verdades e alguma hipóteses sobre fatos conhecidos, mas não totalmente esclarecidos, mas apesar da diversidade de assuntos de que ele trata, para este post interessa o tema Natal. Mais especificamente o “nascimento” de Jesus. Desde os primórdios da humanidade o homem cultua forças da natureza como divindades. Por motivos óbvios, se para o homem pré-histórico o sol trazia a possibilidade de andar e procurar alimento e a noite trazia frio e os perigosos dos animais selvagens, é natural que o sol fosse tratado como uma divindade da vida, da criação, que traz a luz e a esperança. A lua por sua vez poderia ser um deus misterioso, ambíguo. As chuvas teriam uma papel importante nesse contexto, assim como os ventos, os eclipses, e assim por diante. Para saber mais sobre isso recomendo a leitura de um muito bem escrito livro, Uma Breve História do Mundo. Quando o homem estruturou sua fala e posteriormente um sistema de escrita, tornou-se óbvio que as antigas crenças seriam registradas. Mas muito da tradição oral permaneceu. Não vou entrar nestes pormenores, pois esse post já está longo. O que eu quero dizer é que o sol representa Deus desde antes da história existir e o mito, sim, o mito de Jesus, foi inspirado em outros mitos (de deuses egípicios, entre outros) que tinham como base principalmente a adoração ao sol, talvez a primeira “religião” do mundo, mesmo que ela não fosse organizada e nem pregasse dogmas. Outro filme interessante, apesar de ser ficção, é Stigmata, que levanta a ideia de que o Cristianismo esconde um segredo, um evangelho apócrifo, o único escrito por Jesus que revela que a fé cristã não devia ser pregada em igrejas e sim ao ar livre. Posso estar enganado, pois vi o filme à anos. Porém a ideia vem ao encontro de se cultuar as forças da natureza e para isso você não pode estar encerrado dentro de uma construção. As pedras de Stonehenge seriam isso, um lugar de culto ao deus sol.

Se vocês assitirem ao documentário Zeitgeist, saberão que o momento que o sol está mais alto no céu e que ele fica mais tempo (gerando o dia mais longo do ano) é no dia do solstício de verão, que de 2002 até 2017 vai cair no dia 21 ou 22 de dezembro. O mito do nascimento de Jesus ser em 25 de dezembro decorre do solstício de verão e não de uma data exata do nascimento dessa pessoa. Dia 25 é o dia que escolheram para o nascimento do Jesus mitológico. E ela está mais incorreta também pelo fato de que o calendário que usamos hoje, o Gregoriano, só foi implantado em 1582. Portanto assim como a imagem do Papai Noel barbudo e vestindo vermelho é uma invenção de Thomas Nast (e não das propagandas da Coca-Cola como erroneamente se acredita) o mito de Jesus que nasceu em 25 de dezembro foi inventando pelos cristãos. Nessa época pode se comemorar o nascimento de diversas outras divindades como Hórus, um deus egípcio. Portanto minha mensagem de fim de ano, ou Natal é: não viva sob uma mentira, não seja mais um no rebanho guiado por outros, tenha opnião, tenha livre arbitrio, exerça-o. Não viva sob a égide de uma mentira e de uma data com interesses comerciais. Talvez o capitalismo sobreponha a ideia religiosa por trás do Natal. Talvez no futuro seja conhecido apenas pela época em que se compra e se ganha presentes. E mesmo que fosse pelo nascimento de Jesus, isso não ocorreu nesta data e o mito inspirou-se em mitos e crenças mais antigas que a escrita. Cultue o sol então, a natureza, a vida ao ar livre e não dentro de shoppings consumindo, consumindo e sendo consumido. Se você conseguiu chegar até aqui, saiba que se o nascimento de Jesus em 25 de dezembro é uma mentira, consequentemente a Páscoa e o carnaval também são. Mas eu encerro por aqui. Bom 2012.

Criação de Flyer

Não você não está no meu outro blog, o Vaara tapa. É que neste eu coloco mais o meu lado profissional de publicitário, por isso este flyer está aqui. Foi criação minha a pedido dos organizadores do show em Montenegro. O briefing pedia que fosse citada a tour brasileira da banda sueca Lautstürmer e mais as bandas de abertura. Era necessário mostrar a capa do disco promocional que os gringos estão lançando via o selo do meu amigo Renan, a Terrotten Records. Bem dito isso, era só acrescentar data, local, ingressso, etc… ah e não esquecer o visual “sujo” do punk/hardcore. Arte aprovada, segue a divulgação.

Abaixo a primeira versão, não aprovada pelo cliente:

E por falar em flyer, se você tem alguma necessidade nessa area ou qualquer outra relacionada a identidade visual, meu e-mail é ricardo.rbaptista@gmail.com =)

Alan Moore’s From Hell

Londres, 1888. Nesta década muitos fatos marcaram a história: em 1880 Thomas Edison produz a lâmpada elétrica; 1884 H.C. Maxim inventa a turbina a vapor; 1885 Karl Benz cria o carro a motor; 1887 Heinrich Hertz gera as primeiras ondas de rádio; na política em 1884 a França toma a Indochina, o que ecoaria na Guerra do Vietnã anos mais tarde; o anti-semitismo começa a se proliferar pela Europa após a publicação Le France Juive. Como o próprio Moore cita no apêndice de Do Inferno “a década de 1880 contém as sementes do século XX, não só em termos de política e tecnologia, mas também nos campos da arte e da filosofia.” E de certa forma os assassinatos de Whitechapel encerram o espírito vitoriano do século XIX.

Foi na capital da Inglaterra, especificamente em Whitechapel que uma serie de crimes chocou a sociedade inglesa, apesar de que nenhum dos envolvidos sequer poderia imaginar que seus atos (ou a ausência deles) ecoaria no imaginário mundial mais de 120 anos depois.  Conhecido hoje como os crimes de Jack, o Estripador (Jack, The Ripper no original em inglês), na época chamado de os “Assassinatos de Whitechapel” é muito mais do que uma chacina de prostitutas pobres do submundo londrino. Estes fatos até hoje estão encobertos por mentiras, incertezas e especulações, porém o escritor inglês Alan Moore e o desenhista escocês Eddie Campbell tentam nesta obra, senão sanar as dúvidas sobre o assunto, pelo menos trazer uma nova luz repleta de significados aos chocantes crimes.

É preciso contextualizar o leitor sobre que obra me refiro. From Hell ( Do Inferno publicado no Brasil pela Via Lettera em 2000) mistura ficção e história para narrar estes fascinantes, porém horrendos, acontecimentos. A graphic novel consta em uma lista feita por um site respeitável relacionado a quadrinhos e literatura(cujo nome agora não recordo), como uma das 5 obras mais relevantes de todos os tempos. Nas cinco primeiras posições constam ainda Watchmen (do mesmo Alan Moore), O Cavaleiro das Trevas e Y: the last man. Como li todas, exceto Y posso afirmar que a posição é merecida. Porém eu iria mais longe e colocaria a graphic novel em primeiro lugar. Meus motivos:

1º O escritor Alan Moore pesquisou centenas de fontes históricas para recriar inclusive diálogos com gírias usadas na época pelas prostitutas. A recriação dos personagens passou por uma minuciosa pesquisa de biografias e relatos que pudessem esclarecer como eram , como agiam, quais eram suas motivações, seus aspectos psicológicos e muito mais dos protagonistas da história. Só por isso já vale uma menção.  From Hell é praticamente uma tese de doutorado sobre os hediondos assassinatos.

2º Com o mesmo rigor acadêmico o ilustrador Eddie Campbell pesquisou, segundo Moore, uma quantidade ainda maior de referencias do que ele próprio. O objetivo era recriar com perfeição o cenário arquitetônico da época, afinal a arquitetura tem papel importante na história como veremos adiante. Quem mais que você conhece que estudou fotos e plantas originais para poder desenhar com riqueza de detalhes o interior de um manicômio inglês do século XIX?

3º From Hell não tem cores, usa com maestria apenas o claro e escuro (p&b). Não tem nenhum super herói (e nem sequer heróis?) e nem batalhas épicas. A narrativa se baseia nos diálogos, porém quando necessário os desenhos acrescentam muito à narrativa. Aqui alguns rabiscos com cara de charge conferem uma incrível sensação realista e expressam emoções e sentimentos com perfeição, quando as palavras não são suficientes. Nota 10 para a narrativa.

4º Especular sobre o envolvimento da família real nos assassinatos, a existência de um filho bastardo do príncipe e a participação da Maçonaria em toda a complexa rede de eventos que culminou na morte de 5 prostitutas, aparentemente insignificantes, é bem corajoso. Por ser inglês e tratar desse assunto com coragem merece outra menção honrosa. Ok, muito das especulações de Moore tem base em livros como Jack the Ripper: The Final Solution de Stephen Knight, mas tudo que este autor e outros apenas insinuaram, Alan Moore afirmou, mesmo que no mundo ficcional das HQs.

Poderia listar mais detalhes que para mim fazem de From Hell uma obra admirável, não só dos quadrinhos como da literatura em geral. Mas quero seguir minha resenha contando um pouco sobre seu conteúdo.

Continua…

Intolerância em Porto Alegre

Normalmente eu não abordo notícias, ou acontecimentos do momento aqui no blog. Mas devido a ocorrência deste fato lamentável e de grande repercussão, achei uma boa tratar deste assunto. Muitos me perguntam o que significa o nome do blog e em um futuro post posso me aprofundar na história, mas escolhi esse nome pois trata do que está no imaginário (fantasiako em grego) das pessoas. Acho que não tem como não falar disso hoje. Meu Facebook está cheio de links e comentários sobre isto. Bem vamos ao fato e minhas considerações: Dia 25 de fevereiro de 2011 na esquina das ruas José do Patrocínio e Luiz Afonso, em Porto Alegre mais de 100 ciclistas participavam do evento promovido pelo movimento Massa Crítica quando um carro entrou no meio do comboio derrubando dezenas de participantes. Esse é o fato.

Várias versões do que motivou tal agressão já apareceram em diversos sites de notícias e blogs. O próprio grupo Massa Crítica publicou algumas versões no seu site (leia aqui). Mas ao meu ver mais uma vez se manifestou a lei do mais forte, comum na selva entre os animais selvagens. O maior come o menor, o mais forte sobrevive…mas em uma sociedade civilizada, composta por seres humanos existem leis que impedem que a lei da selva vigore. Obviamente o motorista não achou isso. Por mais que manifestações desse tipo sejam irritantes(eu mesmo já vi muitas e não gostei), por mais que elas atrapalhem seu itinerário ou te atrasem, elas são um direito do cidadão. Podiam ser evangélicos, torcedores de futebol, ou qualquer outro grupo de pessoas. As pessoas tem o direito de não gostar e achar uma palhaçada a manifestação de qualquer grupo, mas devemos respeitar principalmente os seres humanos envolvidos. Este motorista(psicopata, na minha opinião) desrespeitou a vida humana. Se alguma lei estivesse sendo infringida ali naquele momento seriam os órgãos legais que deveriam definir isso. Não fazemos justiça com as próprias mãos no mundo civilizado. Eu sou contra os automóveis, pois acho que são armas prontas para matar ou bombas prestes a explodir. É uma paranóia minha, mas acho que no fim os automóveis trouxeram inúmeros benefícios para a humanidade, mas também muito prejuízo. Além da óbvia poluição, os acidentes que matam mais do que muitas doenças juntas, são o ônus por termos nossos carros do ano a circular pelas ruas e estradas. Como um colega de trabalho me disse quando fomos cortados no transito por um motorista apressado: o idiota fica 100% mais idiota quando está de carro. Na nossa sociedade os carros viraram sinônimo de status e para serem exibidos dessa forma precisam demonstrar velocidade, potência e poder de destruição.

O que preocupa agora é a punição que tal crime terá, pois no Brasil ocorrências de trânsito dificilmente são caracterizadas como crime e sim, apenas como infração. A pena é bem mais leve. Na minha opinião (sem embasamento jurídico) é que o motorista teve intenção de agredir os ciclistas e essa agressão poderia levar à morte de alguns, então pode se dizer que foi tentativa de homicídio doloso (com intenção de matar) mas provavelmente graças ao trabalho de um bom advogado será transformado em tentativa de homicídio culposo (sem intenção) ou talvez vire uma infração de transito. O criminoso paga algumas cestas básicas e mês que vem acontece de novo, pois não houve punição exemplar. Se é que vai haver.

Mais um capítulo revoltante da história desse país que ainda não é gente grande. Brasil e brasileiros, quando vocês aprenderaão a dizer por favor, com licença e obrigado? Quando vão copiar os bons exemplos da Europa ou dos EUA. Estou envergonhado que isto tenha acontecido no Brasil e mais precisamente na minha cidade. É triste.

 

O Planeta Atlântida que a RBS não mostra

Para quem não é do RS vou contextualizar. O Planeta Atlântida é um festival que ocorre no verão no litoral gaúcho. Esse ano reuniu em torno de 90 mil pessoas em dois dias. As atrações reunem artistas e bandas tão díspares como Ivete Sangalo, Restart, Luan Santa e Charlie Brown Jr.(?!?!?!?!), isso tudo no palco principal, onde a maioria do público se concentra. Mas eu trabalhei exclusivamente perto do palco do Pretinho Convida, onde tocaram bandas gaúchas novas e consagradas.  Vamos agora a uma pequena resenha de cada uma que passou por lá nos dois dias.

– Tópaz: Uma banda de adolescentes que toca para um público infantil. Banda fraca e que sumirá até o próximo verão. Só tinha criança na frente do palco.

-Santo Graau: Nome safado hein? A banda é competente, mas inexperiente. Por não serem tão conhecidos a galera evacuou. Fiquei com vergonha alheia do vocalista que falou que era de Santa Catarina e depois soltou um “foda-se catarinas”.

-Tequila Baby: As letras sexistas de sempre no seu punk rock a la Ramones. Não evoluiram nada desde o primeiro disco. Reuniu uma horda de gordinhas de camiseta preta. Pelo menos os fãs são fiéis.

-Bide ou Balde: Essa banda ainda existe? Um show que teve mais piadinhas e interrupções do que música. Dispensável.

-Comunidade Nin Jitsu: Mais uma banda com letras sexistas em forma de funk de quinta, com bases chupadas de clássicos do rock. Ver Sunshine Of Your Love do Cream ser assassinada é uma heresia. Lamentável.

No segundo dia tivemos

-Paulinho Neves: Fora a mãe , avó e o irmão dele que estavam na frente do palco o resto da galera vazou. Fiquei até com pena, mas como o cara é ruim e sem carisma, mereceu a recepção fria.

-Vera Loca: Essa banda é competente, mesmo não sendo do meu estilo. O vocalista é um dos melhores do rock gaúcho, mas a banda peca pelos mesmos erros dos sues conterrâneos. Muita auto-referência.

-Claus e Vanessa: A Vanessa é uma gatinha e muito simpática, desceu do palco e cantou abraçada na galera. Mas isso é agora, quero ver quando estiverem famosos. Repertório muito romântico e chato.

-Doyoulike: Um subproduto da Fresno que já é subproduto de outras coisas ruins. Outra banda adoslescente sem conteúdo nenhum. Não vão longe.

-Cachorro Grande: Porque as bandas gaúchas gostam tanto de ficar penduradas no saco dos Beatles e dos Stones? Cara, inovem um pouco. Isso tudo já foi feito nos anos 60.

-Acústicos e Valvulados: O mesmo comentário acima vale para essa banda. E tocar duas vezes a mesma música para tentar transformar em hit a força foi deprimente. Fora tocar “Sob um Céu de Blues”…

Se você conseguiu chegar até aqui sem se ofender por seu artista preferido ter sido devidamente detonado, pode ler o resto que é mais divertido.

O lance é que essas bandas todas se copiam, fazem performaces iguais, chamam os mesmos gritos de guerra, repetem os refrões muito mais vezes que na música original, entre outros vícios. Acho tudo isso uma falta de originalidade e uma covardia. Eles parecem que querem agradar sempre ao invés de serem autênticos. Mas tudo bem esseas são as opiniões de um velho de 60 anos num corpo de 30. Cheguei a esta conclusão quando uma a linda ninfetinha de olhos verdes me chamou para pedir informação e disse: “-Tio, que horas toca a Vera Loca?” O que dizer depois disso?

Esses eventos são para jovens mesmo. Passar o dia e a noite interia pegando chuva , pisando na lama, tomando latinha de ceva a R$ 5,00, comendo bauru a R$ 10,00, ouvindo bandas nada a ver umas com as outras e ainda pagar uma fortuna para entrar…realmente não é para mim. Prefiro ir no Zaffari comprar uma pizza, meia dúzia de ceva e ver um filminho bem baixado. De preferência com uma boa companhia feminina ao lado.

Mas quem procura alguem para dar uns beijos, o planeta é bem propício. Várias gatinhas presentes no eventos, mas infelizmente a maioria(que eu vi) eram menor de idade. Se eu fosse adolescente…

Enfim, esse evento está no imaginário das pessoas como uma grande festa, o encontro de todos os estilos e bla, bla, bla todos os adjetivos que a RBS usa para qualificar o evento, mas na real aquilo é uma baita  roubada. Foi meu primeiro Planeta e com certeza o último, a não ser que me paguem mais para trabalhar lá.

Palhaços brasileiros

Começou 2011 e agora temos uma presidente mulher no Brasil. Pois é, mas também  temos um palhaço na Câmara dos Deputados Federais. Na real sempre houve palhaços lá, mas agora temos um palhaço profissional. Na verdade eu acho que os palhaços somos nós(o povo brasileiro), que recebemos salário mínimo de R$ 500 e poucos, enquanto eles (os deputados) aumentam seus salários quando dá vontade. Alguém aqui já pôde aumentar o próprio salário? Não né. Porque eles podem? Ah já sei, foram eleitos pelos palhaços(o povo brasileiro) que canta e dança no carnaval, se une para enfeitar as ruas na Copa e quando tem que votar, votam no Tiririca. Acho que o brasileiro tem o que merece, pelo menos a maioria.  Pois é a maioria que vota e escolhe essa gente que rouba, desvia, ignora o povo, se beneficia, etc… já sabemos disso, é bater numa tecla já desgastada. Mas porque as coisas não mudam. A ONG Avaaz faz um belo trabalho aqui no Brasil e no exterior. Graças a Avaaz pude participar de abaixo-assinados contra a pena de morte da Sakineh no Irã e a favor da Ficha Limpa no Brasil. Mas acho que muito mais pode e deve ser feito. Eu já mandei um e-mail para a Avaaz e espero que todos possam tirar uns minutos do seu dia para fazer o mesmo. Reivindiquem alguma ação contra o aumento dos deputados. Chega de omissão e alienação.

Dona Dilma

O fato de termos agora uma presidente (ou presidenta, os dois estão corretos) no Brasil, nem chama tanta atenção. Em um país machista como o Brasil isso é surpreendente. Mas a verdade é que se o ex-presidente Lula tivesse apoiado a candidatura de sua cachorrinha Michele para presidência, provavelmente ela teria vencido. Junto com o Tiririca.

Ainda acho que o destaque (negativo) nessas eleições é o aumento autoimposto do salário dos palhaços, digo deputados. Pois palhaços somos nós, alegres palhaços brasileiros.